ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

MÃOS PEREGRINAS

MÃOS PEREGRINAS


Os dedos foram passear

Pelas veredas da virilha

Depois das cambalhotas

Apreciar a área ribeirinha

Há calor entre as gramas

Aquece o dedilhado solo

Quando patina por superfícies

Lisas e macias

Graça das sinuosas coxas

Brincadeira de criança

Anseio de menina

Que escorre pelo seu colo

Para descansar a palma

Dando-se quente

No mirante das ancas

Sobre proscênio das pernas,

Curvas e entradas

Do seu encanto

Os dedos se declararam

Foram arautos e intensos

Revelaram os segredos

Da linha do amor

Linha da vida

De viver o destino

Assinado com mágicos toques

Amor, dedo e vinho.

Unhas como bico da pena

As digitais como xilogravuras

Impressas a cada centímetro

Os pelos são testemunhas oculares

Levantaram e assistiram em pé

Nas trilhas da sensual figura

A marcha da pegada

Do toque e malicia

Na arte de ser doçura

E ondulações em frêmito

Desejo sobe a eclusa

Chega a secar os lábios

Ao mesmo tempo

Que as aguas minam

É o lábio que me quer

Com a vontade que me pede

E todo restante tremulo

Fez até o suspiro sorrir

Eleva o encanto de mulher

E o coração bate em cada lugar

Percussão sobe o percurso

O que te parecia carinho

O choque de elétrons

É o calor que congela,

E seu plexo, num calafrio extasiado.

E aconchegado com calor

Prenuncio do tesão aclamado

Sobre a tutela da arte do tato

E o amor do afago

Que lhe toma por inteira

Será sempre fênix que

Quando a toco se incendeia

Sedenta, nasce um novo.

SÉRGIO CUMINO

4 comentários:

  1. Querido poeta, nestes versos saboreio a exatidão de como é ser amada, com a sensibilidade que lhe é peculiar quando se trata da alma feminina, como traduz os anseios da amada. Mais uma vez merece meus sinceros PARABÉNS, são bem poucos que sabem apreciar de tal forma.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, veridicamente real. Me vi e senti todo o carinho, o tesão e o sangue em ebulição. As veias pareciam saltar de felicidade e sensibilidade. Maravilhoso, sempre, sempre e sempre...

    Regina.

    ResponderExcluir
  3. As mãos mapeando o corpo que clama, roga e pede sempre mais...

    Impossível não estar encantada lendo tantas sabedoria e beleza num ato que pede muito mais da vida.

    Sigo o blog com prazer!

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Ah, adicionei você ao meu facebook ok?

    ResponderExcluir