ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

terça-feira, 16 de julho de 2013

O VELHO E A NOITE ENCANTADA

 O VELHO E A NOITE ENCANTADA
Quando o sol se pôs
Olhar também se pôs
A esperar a lua chegar
Caneca de café cheia
Lua resplandece cheia
Recebe o velho a pitar
A fumaça do cachimbo
Sobe e ora pelo cachimbo
Que só a alma sabe falar
Pés que marcam o Aiyê
O eleva além do Aiyê
Ao vale encantado dos Orixás
Oferta lírio branco fun fun
A todos os Deuses fun fun
Agradecendo o dia que jaz
Exala a branda fumaça
Sua mente vira fumaça
E pensamentos a viajar
Em busca do axé de ser
Vibra todo hão-de-ser
Que ensina a mente calar
Uma nuvem solitária
À frente a lua solitária
Imagem de todos a sonhar
Sobre a terra desenha aureola
Preto velho absorve aureola
Da forma sublime do luar
Roga conhecimento ancestral
É culto vivo ancestral
A todo aquele passaram por lá
Caneca de ágata branca
Sob a lua linda e branca
Uma lagrima se põe a minar
Apelo de profunda fé
Para que encontrem a fé
Aqueles com jornada a trilhar
Seu fio de conta de rosário
Cada semente do rosário
Um filho a alma afagar
Estigma sabedoria do tempo
Abrangência do relativo tempo
Não percebe a noite passar
Humilde pede uma luz
E se embebeda com raio de luz
Para sua alma abrandar
Sabe o caminho da roça
Abençoa todas as roças
Onde a fé se firmar
Preto velho de Aruanda
Reza pelos ancestres de Ruanda
Todos que atravessaram o mar
E assim a noite passa
De todos os ângulos que passa
A lua contempla sua graça
A noite segue sua jornada
Mostra que nessa jornada
Seu brilho não se apaga
Reluz o céu de estrela
O amor é a sua estrela
E próximo à chegada
Do esplendor da alvorada
Silencia em respeito à alvorada
Para as aguas de Oxalá
 SÉRGIO CUMINO – POETA DE AYRÁ

Um comentário:

  1. Transcender a nossa visão limitada e estereotipada dos pretos velhos, eliminando o romantismo de sua aparência frágil que nem longe expressa sua real essência. É difícil achar um zelador de terreiro ou médium que fale de preto velho de uma forma profunda como reza uma cultura pautada no conhecimento pela oralidade, Preto Velho no poema é a forma mítica de nossa ancestralidade e todos os seus arquétipos. Congratulações por sua visão privilegiada e demonstrada de forma versátil sobre temas que parecem tão saturados.

    ResponderExcluir