ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

CHAVE É O CHAVEIRO

CHAVE É O CHAVEIRO




Chave postada a romper
Abrindo todo vislumbre
Fechando que surgem
A chave e o chaveiro
Dinâmicas de um só
Abençoados de Pedro
para que se abram
 ao seu paraíso
Chave do desenlace
dantes presa no ferrolho
 
Chave e o ser
Chave que se cumpre
Aberturas que urgem
Rogar do porteiro
A chave que desata nó
Que faz crescer o cedro
Que das fissuras saiam
A generosidade do riso
E alegria que te abrace
A chave se mostra no olho
 
Chave de dentes de roer
Mente que se corrompe
Que se fecha aquém
E se entrega a terceiro
E abre a porta encontra pó
Fechando janelas do brejo
Que só abre aos que calam
Sem saber o gosto do risco
A chave e o entrave
Quando quebra no miolo
 
Possibilidades do prover
Que se surge num instante
As portas do além  
Chave do romeiro
Inspirado na devoção de Jó
Falo da chave do credo
Dentes que engrenam
Marco zero do inicio
Quando rompe com grades
Cada guardião tem seu molho
 
Chave preludio do rever
Celebrado pelo réquiem
A chave do mistério
Alforriado pelo Ebó
E o certo e o incerto
Contrários se equilibram
Portas do solstício
A descoberta é a chave
Que nos abre para o novo
 
 
SÉRGIO CUMINO – POETA DE AYRÁ



Um comentário:

  1. Elizabete Nascimento7 de maio de 2016 01:53

    O uso da chave em todos os sentidos nos abre os olhos e desvendam os caminhos. Mistura perfeita que inunda a alma com seu jogo de palavras nos faz sonhar.

    ResponderExcluir