ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

segunda-feira, 28 de maio de 2012

TERREIROS URBANOS


TERREIROS URBANOS
A cidade nos fez educados
Com cabresto moral
Alçado da pessoa de bem
Intolerância rege seu legado
Põe orgasmo a função do Estado
Mesmo que não sinta o aroma
Provamos o gosto amargo
Não poder simplesmente ser
Hoje ainda somos guiados
Dobados, atados, deletados.
Educação é alfaiataria
Saúde mercadoria
Passados de fina goma
Sob o vinco reto
Da simetria fascista
Rejeitam a cidadania
Tornamo-nos, tornados.
Peixe caído na rede

liberdade a revista
Com cabos conexão system
Resultado de varias somas
Descobre-se objeto
Oriundo do download
Por mais que resista
Personalizam-te a virose
Burguesa esclerose
Como destaque da vitrine
 De uma engrenagem adversa
E todo certificado de insulto
De passos determinados
Libertar-se que te resta
Já é sujeito excluso
Pois prenderam seu juízo
Faz-se a chave do oculto
Sorte quando vácuo
É o caos que propicia criação
Andar pela trilha das descobertas
Descubra horizonte que avista
Superando arranhões
Dos espinhos da neurose
Pensamentos sepulcros
A alma do artista
Que vagueia em seus sonhos
Antidoto da dignidade Ereta
SÉRGIO CUMINO - POETA DE AYRÁ

8 comentários:

  1. Gostei da sua poesia, essa diferente, de cunho político e sério...
    O poeta compara a sociedade burguesa a uma doença... E quem se liberta é excluso...

    Yara Luchi.

    ResponderExcluir
  2. Retrato de uma sociedade falida em busca da liberdade de poucos

    ResponderExcluir
  3. lí e relí achei mt profunda, inteligente, bem feita embora me desafiasse a interpreta-la...rsrs mas qualidade é coisa que qq pessoa percebe. Vc é o cara em qq estilo...srsr

    Telma Campos de Miranda

    ResponderExcluir
  4. Parabens,oque dizer de uma poesia seria e profunda,encontro de tudo que conhecemos...so vc Poeta..faz com que pensemos profundamente em cada linha.!!.MEU CARINHO.....Mell

    ResponderExcluir
  5. Nadir da Silva Marçal29 de maio de 2012 06:27

    Não há tempo para observar o que se descreve no olhar caminhante. Percebe o quanto afliguem nossas caminhadas nada instigadoras. Já pode-se dizer que incomoda tambem poder descriminar e falar aberto o que está diante de todos os que sentem se calam e criticam a grande dor do poeta.

    ResponderExcluir
  6. Mto bom... adorei!!!

    ResponderExcluir
  7. Independente do tema, suas poesias sempre retratam o que a maioria das pessoas querem dizer e nao conseguem, vc consegue definir com perfeicao td o que queremos ler... parabens querido irmao...

    ResponderExcluir