ESSE BLOG NÃO PERTENCE SÓ AO POETA, ELE É DE TODOS NÓS

quarta-feira, 6 de junho de 2012

EXPLÍCITA

EXPLÍCITA
O que faço crer
O que passo passa a ser
Se quisermos seremos
O querer tem encanto
Magia acalanto,
Abertura do sossego
E mais o que passemos
Roçar atenua
Querer aventura
Sem referencias
Com carinho do sol
E as mil maneiras
De senti-la Lua
É a deusa que na pele
Desenha seu arrepio
Minha boca toda sua
Desejos em serie
de deixa-la no cio
Esvoaçar das saias
E outras partes nuas
Sua essência explicita
É a arte da sedução
Provocando a revista
Garras felinas.
Envolve seu leão
Presa desejosa,
Arrepiar nuance.
Delibar amante
O sorriso que embriaga
Que arrepia, e me faz assumir.
Sou ébrio de sua doçura destilada
SÉRGIO CUMINO

6 comentários:

  1. socorro guerreiro6 de junho de 2012 20:28

    qual mulher não desejaria,qual mulher não se exitaria com tanta beleza,leveza,pena que seja de todas de tudo.

    ResponderExcluir
  2. Hum... Que linda! Quando li me deu um friozinho na barriga! Me vi nesta poesia! Maravilhosa! Parabéns!
    Beijos...
    Mara.

    ResponderExcluir
  3. Essa poesia é linda... tem um jogo de ésses do começo ao fim... faço, passo, roçar, sol até presa... O ritmo faz escorregar, dançar, rodopiar até cair na palavra ébrio, que significa alguém que está tomado de um sentimento muito forte (como a paixão)... Volto pro início do poema de novo e quero dançar essa música repetidas e repetidas vezes...Poesia musical! Seu trabalho é ser intermediador da arte!Talento divino! Parabéns poeta!

    ResponderExcluir
  4. Explicitar, revelar no amor e nuances o dom mágico de encantar. Sensualidade no jogo do entorpecer e caminhar por devanear os sentidos em paixão e aflorar a sensibilidade. Mágia do pensamento que arrasta o imperio dos sentidos.

    ResponderExcluir
  5. Tudo de grande parece maior nas suas palavras

    ResponderExcluir